Acompanhamento de parto normal - Doula

Dra. Patrícia Valeriano - Crefito-3/ 77458-F

A palavra Doula vem do grego e significa “mulher que serve”, utilizada atualmente para referir-se à mulher com pouca ou até sem experiência técnica na área da saúde, que acompanha a nova mãe no parto e nos cuidados com seu bebê. Seu papel é dentre outros oferecer conforto, suporte emocional, físico e informativo durante o período de novas experiências pela qual a gestante está passando.

 

O que a Doula faz?

  • Oferece suporte emocional através da presença intermitente ao lado da gestante , provendo encorajamento e tranquilidade, oferecendo carinho, palavras de reafirmação e apoio. Favorece a manutenção de um ambiente tranqüilo e acolhedor, com silêncio e privacidade.
  • A doula oferece medidas de conforto físico através de massagens, relaxamentos, técnicas de respiração, banhos e sugestão de posições e movimentações que auxiliem o progresso do trabalho de parto e diminuição da dor e desconforto.
  • Pode estar presente no pós-parto, auxiliando a mãe no seu contato com o recém-nascido e com a amamentação.
  • Pode ir ao local que você escolheu para o parto sempre que sentir que precisa dela.

O que a Doula não faz?

  • A doula não realiza qualquer procedimento médico ou clínico como aferir pressão, toques vaginais, monitoração de batimentos cardíacos fetais, administração de medicamentos.
  • Não é sua função discutir procedimentos com a equipe ou questionar decisões.
  • Não substitui qualquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto.
  • Não substitui o acompanhante escolhido pela gestante. Nesse caso a doula orienta o pai ou acompanhante a ter uma participação mais ativa no processo, sugerindo formas de prestar apoio e dar conforto à mulher.

Vantagens

Emocional

Aumento no sucesso da amamentação, interação satisfatória entre mãe e bebê, satisfação com a experiência do parto, redução da incidência de depressão pós-parto, além de diminuição nos estados de ansiedade e baixa auto-estima.

Gravidez sem Complicações

Estudos mostram que trabalhos de partos acompanhados por doulas são 25% mais curtos. Quem não gostaria de ter isso? “Partos longos podem ser desafiadores fisicamente e emocionalmente, mesmo se uma mulher estiver medicada e ”confortável”, diz Ann Fulcher, CLE, CD, do programa Hearts and Hands Volunteer Doula Program at the University of California, San Diego. Trabalhos de partos mais curtos são mais eficientes, e tem menos tempo para uma infecção ou complicação acabar se desenvolvendo diz Fulcher. Mulheres acompanhadas por doulas também são menos propensas a receber analgesia epidural e cesariana.

Menos estresse

Mães que são acompanhadas por doulas afirmam terem menos estresse durante o parto. Quando você se sente estressada, seu corpo libera adrenalina, que em termos simples, a adrenalina suprime a ocitocina, que é o hormônio que faz o parto acontecer. Então se a mãe está ansiosa, assustada ou brava, os hormônios do estresse podem travar o parto. “Nesse momento é que as doulas e seu apoio emocional entram,” diz Fulcher. Doulas são importantes também em partos com medicações (induções) e partos cirúrgicos (cesáreas necessárias).

Dra. Patrícia Valeriano

Crefito-3/ 77458-F

Dra. Patricia de Andrade Valeriano é fisioterapeuta, formada em 2004, especialista em Fisioterapia Aplicada à Saúde da Mulher, pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, e com Pós-graduação em Terapia Manual e Postural.

Desde 2007, possui formação em Pilates Clínico e Pilates Aplicado à Saúde da Mulher e, posteriormente, em Pilates Fitness; Pilates Dermatofuncional; Pilates para Grupos e Pilates Avançado.

Possui também formação internacional em RPG (Sistema Australiano), Reeducação Uroginecológica e Conceito McConnell – Bandagem Funcional.

É professora de cursos de formação em Pilates, desde 2012, tendo participado da formação de mais de 100 turmas. Atualmente, é proprietária da WP Pilates & Saúde, criadora do Programa Mamãe Saudável e autora do livro “Os segredos do Pilates na gestação”.

Todo ano participa de eventos relacionados ao Pilates para gestantes e atua como palestrante em diversos eventos: Jornada Sul-Americana de Pilates, Encontro Brasileiro de Pilates, Meeting de Pilates e Treinamento Funcional, entre outros.

Desenvolveu o curso de Pilates Aplicado para Gestantes, presencial e on-line.

Participou dos cursos de atualização: Fisioterapia Obstétrica, Fisioterapia Aplicada à Saúde da Mulher e, também, Obstetrícia e Ginecologia, da Baracho Educação Continuada. Além disso, possui formação em Ginástica Abdominal Hipopressiva – Método Marcel Caufriez.

Depoimentos

Dúvidas?!

Perguntas Frequentes

No trabalho de parto, a profissional ajuda a mulher a encontrar as posições mais favoráveis durante as contrações, faz massagens e compressas para aliviar a dor, ajuda o parceiro a se envolver e participar ativamente do parto e informa o casal sobre todos os procedimentos que estão sendo realizados.“Ter a doula ao nosso lado foi fundamental. Ela me ajudou a ficar firme e não me desesperar vendo a Mariana sentir as contrações”, afirma Gabriel Guimarães, que viveu o trabalho de parto intensamente com sua esposa.

O serviço desta assessora começa antes do dia do nascimento do bebê, com encontros para conhecer a gestante e informá-la sobre as etapas do trabalho de parto, preparação do períneo e elaboração do plano de parto. E também continua após a chegada do novo membro da família, tirando dúvidas sobre o início da amamentação e conversando sobre a experiência do parto.

A entrada das doulas não é permitida em todas as maternidades do Brasil. Por isso, antes de escolher o hospital que dará à luz, informe-se se a instituição permite a entrada desta profissional.

A Associação de Doulas de São Paulo acredita que este tipo de proibição aconteça por causa da falta de conhecimento sobre o trabalho dessas profissionais. “Por isso, uma das principais propostas da ADOSP é a conscientização voltada para diferentes públicos sobre quem é a doula, o que ela faz e não faz, assim como apresentar os benefícios desta acompanhante de parto profissional”, explica Daniela de Almeida Andretto, doula e membro da Comissão Científica da ADOSP.

A atuação da doula durante o parto é reconhecida e estimulada pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Estudos mostram que a presença delas ajuda a diminuir em 50% os índices de cesáreas, 25% a duração do trabalho de parto, 60% os pedidos de analgesia peridural, 30% o uso de analgesia peridural e 40% o uso de ocitocina. O apoio profissional recebido durante o trabalho de parto e pós-parto aumenta as sensações de bem-estar da mãe e que esta ajuda combate a depressão pós-parto.

Além de todo o suporte físico e psicológico, elas informam e orientam as mães a respeito dos procedimentos considerados desnecessários de acordo com as atuais evidências científicas e orientações da OMS.